Aconselhamento gratuito:
(Seg. - Sex.: 09:00 - 18:00)

Terapia robótica: a tech2people abre um centro de neuroterapia em Viena

O novo centro de terapia tech2people, em Seestadt, está a estabelecer novos padrões no mundo da fisioterapia e da reabilitação austríaca em muitos aspectos. A partir do início de novembro, mais de 20 dispositivos robóticos de última geração, com um valor total de cerca de 1,5 milhões de euros, estarão em funcionamento no centro, supervisionados por uma equipa de nove fisioterapeutas. Em conjunto, tratam AVC, esclerose múltipla e paraplegia com terapias ambulatórias. O centro promete custos acessíveis e não necessita de tratamento em regime de internamento.

Na quarta-feira, realizou-se uma conferência de imprensa para assinalar a abertura do centro, com Gregor Demblin, cofundador da tech2people, Hannes Kinigadner, um paciente empenhado, Peter Eichler, membro do Conselho de Administração da UNIQA Áustria e Peter Lackner, chefe do Departamento de Neurologia da Klinikum Floridsdorf.

26 000 potenciais novos doentes com AVC

Atualmente, 520.000 pessoas vivem com esclerose múltipla na Europa. Todos os anos surgem 12.000 novos casos. Na Áustria, cerca de 50.000 pessoas dependem de uma cadeira de rodas, das quais cerca de 4.000 são afectadas por uma lesão da espinal medula. Além disso, 9,53 milhões de pessoas na Europa sofrem um acidente vascular cerebral, com um aumento anual de um milhão de novos casos. O AVC é uma das terceiras causas de morte mais comuns a nível global.

"Na Áustria, a ordem de grandeza é de cerca de 26.000 novos doentes com AVC por ano. É provável que este número não diminua significativamente nos próximos anos; pelo contrário, poderá mesmo aumentar. Embora se esperem melhorias na prevenção primária e secundária, a frequência dos acidentes vasculares cerebrais tenderá a aumentar devido ao envelhecimento da população", afirmou Peter Lackner, Diretor do Departamento de Neurologia do Hospital Floridsdorf, na conferência de imprensa.

Voltar a andar direito depois de quase 25 anos numa cadeira de rodas

O novo centro de terapia tech2people tem como objetivo proporcionar um "tratamento ótimo" para todos os tipos de doenças neurológicas, incluindo acidentes vasculares cerebrais, esclerose múltipla e paraplegia traumática. A tech2people foi fundada em 2018 por Gregor Demblin, ele próprio paraplégico desde 1995. Demblin conseguiu voltar a andar direito em 2017 com um exoesqueleto da Alemanha, depois de quase 25 anos numa cadeira de rodas.

"2017 foi uma experiência muito formativa porque experimentei um exoesqueleto pela primeira vez. Foi incrivelmente extenuante, mas a sensação foi óptima. Imediatamente a seguir, pensei para mim próprio que tinha de o fazer regularmente. Depois, pus em prática e apercebi-me de como beneficiava a minha saúde. Rapidamente me apercebi que devia tornar possível que outras pessoas pudessem ter esta experiência maravilhosa", diz o fundador da tech2people.

Em colaboração com Michael Seitlinger e Dennis Veit, foi gradualmente criado o tech2people, o primeiro centro de neuroterapia assistida por robótica em ambulatório na Áustria. Com o apoio de patrocinadores, os doentes têm agora acesso a fisioterapia em regime ambulatório a uma taxa horária.

Cerca de 1500 a 1800 passos numa hora

"Com um exoesqueleto, pode dar cerca de 1.500 a 1.800 passos numa hora. Aqui tratamos doentes com AVC, lesões da espinal medula, esclerose múltipla ou lesões cerebrais traumáticas. A qualidade da terapia é decisiva para o facto de eu, enquanto pessoa, ter a oportunidade de voltar a andar, de ter a oportunidade de voltar a trabalhar, de ser independente e de poder continuar a viver em casa. Em última análise, isto também influencia a minha esperança de vida. Por isso, estamos a apostar fortemente na terapia robótica", afirma Demblin.

De acordo com o fundador, as terapias robóticas têm enormes vantagens. "Permitem simular movimentos que não seriam possíveis na terapia manual, como andar ou agarrar com as pernas, por exemplo. Além disso, permitem um treino extremamente eficiente devido à taxa de repetição muito mais elevada. Na terapia convencional com apoio manual, pode provavelmente conseguir entre 30 e 50 passos numa hora ou mesmo em alguns anos, dependendo do seu nível de fitness."

A terapia robótica duplica as hipóteses de voltar a andar após um AVC

Para além do exoesqueleto, o centro também oferece aos doentes outros dispositivos. Estes incluem o Lokomat, um dos sistemas robóticos mais estabelecidos e mais bem estudados na terapia neurológica, que é atualmente o padrão na neuroreabilitação moderna.

"Há áreas em que a fisioterapia robótica já foi amplamente investigada e comprovada. Por exemplo, a situação do estudo em relação aos doentes com AVC é muito sólida. Há provas claras de que os doentes com AVC que recebem terapia de marcha assistida por robótica em combinação com fisioterapia tradicional têm cerca de duas vezes mais hipóteses de voltar a andar", afirmou Peter Lackner, um especialista em neurologia que actua como consultor médico principal do novo centro.

UNIQA como apoiante e patrocinador

Peter Eichler, Membro do Conselho de Administração para os Seguros Pessoais na UNIQA Insurance Group AG, sublinha: "Vimos e ouvimos de forma impressionante o efeito transformador que este centro pode ter. É capaz de devolver alguma autonomia às pessoas que foram duramente atingidas pelo destino, reforçar a sua autodeterminação, oferecer-lhes melhores opções de tratamento e aumentar a sua esperança de vida. Em suma, oferece-lhe a perspetiva de uma vida melhor. Se olhar para o nosso lema ou visão, 'Viver melhor juntos', todas as nossas actividades devem estar subordinadas a este princípio, tal como os esforços de apoio da Fundação Privada UNIQA e das companhias de seguros UNIQA."

Hannes Kinigadner também deu a sua opinião na conferência de abertura. Teve um acidente em 2002 e agora treina com o exoesqueleto. Sabe por experiência própria: "Se se encontrar numa situação tão infeliz, precisa de todo o apoio possível - quer se trate de ajuda pessoal ou técnica. É muito importante que nós, enquanto sociedade, utilizemos os conhecimentos tecnológicos que adquirimos para devolver a autonomia às pessoas afectadas".

"A reabilitação neurológica sem falhas é de importância crucial"

Segundo Lackner, a Áustria dispõe de um excelente programa de reabilitação aguda em regime de internamento. No entanto, a necessidade de reabilitação em ambulatório está a aumentar rapidamente. "As vantagens são óbvias: menos estadias em regime de internamento, um tratamento mais eficaz para os doentes e uma alternativa mais económica para o sector público." Após doenças neurológicas graves, a reabilitação neurológica sem interrupções é de importância crucial. Esta opção está geralmente disponível no sector de internamento na Áustria. Regra geral, os doentes recebem um lugar de reabilitação na Áustria após uma estadia num hospital de agudos.

No entanto, a reabilitação em regime de internamento termina geralmente ao fim de um a dois meses. No entanto, a neuroplasticidade, ou seja, os mecanismos que podem ser utilizados para reaprender as funções perdidas após um AVC, estende-se por um período de seis meses a dois anos. Durante este período, é possível continuar a progredir nas funções perdidas. Por isso, é particularmente importante facilitar programas adicionais de reabilitação em ambulatório e assegurar uma terapia contínua para os doentes.

Custos de 135 euros devido aos patrocinadores

Para que este programa de terapia esteja disponível para o maior número possível de pessoas, o apoio de numerosos patrocinadores é atualmente de grande importância, uma vez que são eles que tornam estas ofertas possíveis em primeiro lugar. "Graças aos nossos patrocinadores, esta forma de terapia custa apenas 135 euros, dos quais mais 55 euros são reembolsados pela companhia de seguros de saúde. Se quisesse fazer a mesma terapia nos EUA, custaria três vezes mais", explica Demblin.

Outro aspeto importante, que era caro ao fundador, é o facto de ele e a sua equipa não terem criado deliberadamente um ambiente clínico, como é normalmente o caso das terapias. Nesses ambientes, é frequente as pessoas sentirem que perdem a sua autonomia. "Aqui, valorizamos uma atmosfera agradável que é mais comparável a um centro de bem-estar ou de fitness. Os pacientes que já nos visitaram responderam de forma extremamente positiva a este facto e sentem-se muito confortáveis aqui."

Futuro possível: exoesqueletos em vez de cadeiras de rodas

Gregor Demblin concluiu: "O nosso objetivo é tratar aqui 500 doentes por ano durante a fase de expansão. São 500 destinos que, idealmente, terão uma vida melhor. O segundo objetivo é fazer avançar a tecnologia. Somos provavelmente a única instalação no mundo que oferece aos fabricantes a oportunidade de testar os seus dispositivos como protótipos. Isto é algo que gostaríamos de expandir no futuro. E a minha esperança é que um dia vejamos exoesqueletos em vez de cadeiras de rodas e que a imagem de opções terapêuticas limitadas desapareça".

Tom Illauer

Todos os contributos de: 
pt_PTPortuguese