Aconselhamento gratuito:
(Seg. - Sex.: 09:00 - 18:00)

O exoesqueleto robótico de um veterano paraplégico

Brittany Elliott, veterana do Corpo de Fuzileiros Navais, passou anos a lutar pelo dispositivo que a ajuda a andar - agora espera fazer o mesmo por outros veteranos.

Brittany Elliott, uma veterana do Corpo de Fuzileiros Navais que ficou paraplégica num acidente de viação. Um condutor embriagado passou por cima de um semáforo de leitura e atingiu o carro que ela conduzia. Mas com a ajuda de um exoesqueleto robótico, consegue voltar a andar.
FOTO: CORTESIA DA FAMÍLIA ELLIOTT

Um acidente de viação deixou Brittany Elliott, veterana do Corpo de Fuzileiros Navais, paraplégica há oito anos, mas com a ajuda da tecnologia e da sua própria determinação, consegue voltar a andar graças a um exoesqueleto robótico.

Agora está a contar a sua história aos legisladores em Washington, D.C., e a trabalhar com outros veteranos para criar a Lei STAND, um projeto de lei anunciado na semana passada que facilitará o acesso a estes exoesqueletos a outros veteranos deficientes que deles necessitem.

"A minha missão é sensibilizar para este dispositivo", diz Elliott, 33 anos, que vive com o pai em Red Boiling Springs, no Tennessee. "Não se trata de ficção científica - é a vida real. Voltar a pôr-se de pé e andar de um lado para o outro traz muito mais vantagens do que apenas andar."

Elliott estava a assistir a uma aula de porte de arma num sábado, em fevereiro de 2013, quando um fuzileiro naval a viu a disparar e lhe perguntou o que fazia na vida e se tinha pensado em alistar-se no exército. Ele enviou um recrutador ao Wal-Mart em Lenoir City, Tennessee, onde ela trabalhava como técnica farmacêutica, e ela alistou-se no Corpo de Fuzileiros Navais nessa sexta-feira.

Seis meses mais tarde, Elliott teve alta médica depois de ter partido o fémur direito num acidente de treino. Foi-lhe dito que precisaria de dois anos para curar a perna, após o que planeava regressar.

"Estava a contar os dias", diz ela. "Tudo o que eu queria era voltar para a tropa. Encontrei realmente o que pensava ser o meu lugar." Treinou para a aptidão física e prontidão para o combate, diz, "para provar que podia voltar ao serviço".

Brittany Elliott, uma veterana do Corpo de Fuzileiros Navais que ficou paraplégica num acidente de viação. Um condutor embriagado passou por cima de um semáforo de leitura e atingiu o carro que ela conduzia. Mas com a ajuda de um exoesqueleto robótico, consegue voltar a andar.
Brittany Elliott em Washington, D.C. COM O RECONHECIMENTO AMIGÁVEL DA FAMÍLIA ELLIOTT

Cerca de um mês antes de poder fazer o teste de aptidão física, a 3 de julho de 2015, conduzia um carro onde se encontravam a sua namorada da altura e alguns amigos quando "um condutor embriagado passou um sinal vermelho e bateu-nos de frente", conta.

"Naquele momento, soube que não poderia regressar a qualquer tipo de serviço para sempre", diz ela. "Não fazia ideia do que iria fazer."

Brittany Elliott, uma veterana do Corpo de Fuzileiros Navais que ficou paraplégica num acidente de viação. Um condutor embriagado passou por cima de um semáforo de leitura e atingiu o carro que ela conduzia. Mas com a ajuda de um exoesqueleto robótico, consegue voltar a andar.
Brittany Elliott no hospital. COM A AMÁVEL AUTORIZAÇÃO DA FAMÍLIA ELLIOTT

Para além de um traumatismo cervical e de uma concussão cerebral, Elliott sofreu uma lesão na espinal medula que a deixou paralisada.

"Perdi a minha capacidade de fazer qualquer coisa", diz.

No dia 4 de julho, assistiu ao fogo de artifício na sua cama de hospital. Uma semana depois, fez 25 anos e estava nos cuidados intensivos.

Leu na Internet sobre o exoesqueleto robótico ReWalk, que permite aos tetraplégicos andar. Viu que a VA estava a realizar um estudo.

"Andei a chatear e a chatear as pessoas até conseguir entrar no estudo", conta. Louis, Missouri, em abril de 2018, onde recebeu formação sobre o dispositivo e o levou para casa durante 12 semanas. Adorou-o.

"Consigo andar assim", diz. Até consegue subir escadas.

Brittany Elliott, uma veterana do Corpo de Fuzileiros Navais que ficou paraplégica num acidente de viação. Um condutor embriagado passou por cima de um semáforo de leitura e atingiu o carro que ela conduzia. Mas com a ajuda de um exoesqueleto robótico, consegue voltar a andar.
Brittany Elliott nos Jogos Nacionais em Cadeira de Rodas. KRISTI KOEHLER DA REWALK ROBOTICS PARA A FOTO 2 NOS JOGOS NACIONAIS EM CADEIRA DE RODAS.

Quando está numa cadeira de rodas, diz Elliott, as pessoas tendem a ignorá-la ou a perguntar diretamente ao seu pai: "O que se passa com ela?"

"É como se pensassem que é contagioso", diz ela. "A minha cadeira são as minhas pernas, mas não me define. É a forma como ando. Mas quando me sento num exoesqueleto, as pessoas falam comigo. Não têm medo dele - mesmo que pareça um robô".

A diferença na forma como as pessoas a tratavam levou a melhorias na sua saúde mental, bem como na sua saúde física. A sua densidade óssea e o controlo da bexiga melhoraram e perdeu peso.

Mas depois teve de o devolver.

"Foi muito cruel", diz o seu pai Morgan Elliott, um antigo camionista que agora toma conta dela a tempo inteiro.

A Elliott lutou durante anos pelo seu exoesqueleto pessoal. Em abril de 2022, conseguiu-o finalmente.

"Nenhum veterano deveria ter de travar a batalha que eu travei para obter esta tecnologia", diz ela. "Quereria lutar durante quatro anos para obter algo que fez tanta diferença na sua vida?"

Brittany Elliott, uma veterana do Corpo de Fuzileiros Navais que ficou paraplégica num acidente de viação. Um condutor embriagado passou por cima de um semáforo de leitura e atingiu o carro que ela conduzia. Mas com a ajuda de um exoesqueleto robótico, consegue voltar a andar.
Brittany Elliott no seu exoesqueleto robótico. CORTESIA DA FAMÍLIA ELLIOTT

Leva o exoesqueleto a locais públicos, desde a Disney a reuniões de veteranos americanos deficientes e ao jogo de futebol do Congresso. Elliott gosta de ir a locais onde há muitos outros veteranos deficientes que perderam a capacidade de andar para lhes mostrar a tecnologia e dar-lhes esperança.

"Algumas pessoas nem sequer se apercebem de que isso é possível", diz ela, "simplesmente resignam-se a uma cadeira. Mas não tem de ser esse o caso".

O seu pai - que está sempre ao seu lado - notou uma diferença notável na sua filha quando ela está no seu ReWalk.

"É uma mudança de vida. É mesmo", diz o seu pai. "Quando está no seu dispositivo e estamos lá fora, nunca quer parar. Só quer ir. Adora estar acordada, adora passear... Fica mais feliz quando está no seu aparelho e a andar no seu aparelho. Toda a sua aura muda".

Quando o viu pela primeira vez, fez-lhe lembrar o Robocop, diz ele. As pessoas vêm ter com ela e dizem-lhe que se parece com um verdadeiro Transformer.

Apesar das suas lesões, Elliott continua a levar uma vida ativa. Recentemente, ela e o pai fizeram parasailing juntos no Havai e nadaram com tartarugas marinhas em Aruba.

"Normalmente não passo muito tempo em casa", diz ela, "normalmente ajudo os meus colegas veterinários".

Aprendeu a conduzir; pratica esqui adaptativo e treino de esqui; anda de mota de neve e faz para-quedismo.

Brittany Elliott, uma veterana do Corpo de Fuzileiros Navais que ficou paraplégica num acidente de viação. Um condutor embriagado passou por cima de um semáforo de leitura e atingiu o carro que ela conduzia. Mas com a ajuda de um exoesqueleto robótico, consegue voltar a andar.
Brittany Elliott a andar numa mota de neve. CORTESIA DA FAMÍLIA ELLIOTT

"Estou a viver uma boa vida", diz ela. "O acidente pode ter mudado a minha vida, mas não acabou com ela. Ensinou-me o que realmente importa. Eu sabia que podia desistir e morrer, ou que podia fazer da vida uma aventura de cortar a respiração."

E decidiu-se por esta última.

"Está apenas a começar", diz ela, "está a melhorar de dia para dia".

Fonte: O exoesqueleto robótico de uma veterana paraplégica deu-lhe "uma vida linda" e ela quer que mais veteranos o tenham (people.com)

Tom Illauer

Todos os contributos de: 
pt_PTPortuguese